fbpx

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

Exposição sobre Educação Patrimonial

As turmas do 4º ano desenvolveram no 2º trimestre um projeto de Educação Patrimonial, que visa a valorização dos espaços culturais e do patrimônio artístico e cultural de nossa cidade. Para isso, os alunos foram convidados a visitarem museus de nossa cidade, juntamente com a família, pois o exemplo de valorização do adulto confere significado afetivo ao trabalho pelas crianças. Assim, o Madre Imilda constrói sua ação educativa junto à comunidade, ampliando a dimensão do ser escola. Os trabalhos revelam as interações que os alunos fizeram com os espaços museológicos.

Educação Patrimonial como Transversalidade

A inserção da Educação Patrimonial como transversalidade no currículo do Colégio Madre Imilda representa uma iniciativa significativa no desenvolvimento da identidade e da memória de nossa comunidade escolar. A volatilidade dos dias atuais, em que os sentidos são perdidos, os significados são mutáveis e as identidades híbridas, a educação representa um dispositivo fundamental para a disseminação e solidificação dos valores necessários a constituição de uma vida em sociedade. Esses valores, no entanto, dependem do desenvolvimento da autoestima, do conhecimento de si e do sentimento de pertencimento a uma comunidade, onde as referências culturais fazem parte desta construção.

A função principal da Educação Patrimonial na escola é possibilitar o conhecimento, o acesso à informação e bens, à fruição dos bens culturais, para que a sociedade possa reconhecer a importância de sua cultura e valorizar a educação. Esta educação possibilita a uma comunidade escolher no passado e no presente, que objetos, signos, tradições e lugares quer preservar.

O Colégio Madre Imilda já tem em seu repertório de ações a intencionalidade de desenvolver um senso de memória e pertencimento. Iniciativas como esta são, acima de tudo, elementos que contribuem para a formação da identidade dos sujeitos.

De certa forma, o que se propõe com a inclusão da Educação Patrimonial no currículo escolar é o que se pode chamar de Alfabetização Cultural, ou seja, desenvolver as habilidades necessárias ao sujeito para reconhecer, interpretar e valorizar os signos manifestos de nossa cultura. Não se pode querer que uma sociedade valorize seu patrimônio cultural se não foram construídas as habilidades necessárias para o reconhecimento e compreensão destes elementos.

De acordo com as sínteses apresentadas no I Fórum Nacional do Patrimônio Cultural, a Educação Patrimonial tem como objetivos:

Construir novas possibilidades de percepção e de atribuição de sentido ao bem cultural.

Promover a autoestima da comunidade possibilitando a (re)significação e a relação positiva com a cidade e com o patrimônio.

Valorizar formas compartilhadas de agir que permitam a construção de um sentimento de pertença das pessoas com o lugar.

REENTURMAÇÃO
SAÍDA DE ESTUDOS DO PRÉ 2
Menu